Viagem ao Japão – Como tornar realidade #1

japan_overview1

Eu sei que não sou a autora mais ativa aqui do ringochi, e eu tenho um bom motivo para isso. Dia 4 de Fevereiro eu estou indo ao Japão pela primeira vez, e vou ficar lá até o dia 26 (então está uma correria aqui). Eu vou tentar trazer o máximo de material possível para o ringochi, tentar gravar vídeos, fotos e muitas outras coisas. Então estamos dando estréia a uma nova página: Ringochi no Japão. Nela eu vou tentar fazer posts não só contando sobre minha experiência, mas também comentando e dando dicas sobre qualquer coisa no Japão.

E como post de estréia da página, nada melhor que começar do começo. Se você está aqui nesse blog, as chances de você querer ir ao Japão são MUITO altas. Então vou mostrar aqui alguns meios de ir ao Japão, sem gastar TANTO dinheiro assim. Preparem-se para o post gigante.

Há dois métodos para ir ao Japão: trabalhar duro fisicamente para conseguir dinheiro e ir até lá; ou trabalhar duro mentalmente e conseguir uma bolsa de intercâmbio. Na parte 1 eu vou falar sobre a primeira opção.

1 – Passagem

JapanAirlines

Um dos maiores problemas de se viajar ao Japão é que a passagem é muito cara, mas sempre tem um jeitinho de conseguir uma bem em conta. Várias coisas aconteceram, e lá por Julho de 2012, eu fiquei super empolgada e depois de dois meses convencendo meus pais, eu consegui. Quando eu fui comprar a passagem em Agosto (7 meses antes), tive a maior surpresa de conseguir comprar ida e volta por 2, 700 REAIS. Geralmente, só a ida é uns 3000 reais.

Resumindo tudo isso. Comprar muito antecipado é um ótimo jeito de garantir a passagem. E o melhor é procurar em sites como decolar.com, eu recomendo o submarinoviagens, além de achar mais companhias que o decolar.com, ele devolve seu dinheiro se você encontrar uma passagem mais barata!

Complementando ali em cima, você precisa saber quando comprar. As linhas aéreas lançam os preços segunda-feira, as outras empresas arrematam o preço entre terça e quarta-feira, e depois disso (final de semana principalmente) os preços voltam a ser caros. E a não ser que você encontre uma passagem SUPER barata, não compre de primeira, pode ser que o preço abaixe mais ainda (ou suba). Ter a data flexível é importante também, para poder aproveitar os dias com maiores descontos

Um outro método é a compra coletiva. Sites como GROUPON e até mesmo a TAM oferecem compras coletivas de passagens aéreas, tornando sua vida muito mais fácil. Alguém me disse também, que tem lugares que compram passagens coletivas exatamente para pessoas que estão indo trabalhar no Japão, indo à negócio ou simplesmente viajar. É interessante ir ao consulado ou embaixada e procurar mais informações sobre isso.

2 – Estadia

J-Hoppers Guest Hotel

O outro terrível problema é onde ficar, claro que você sempre pode ficar em um hotel, mas eles costumam ser bem caros, achar hotéis bons por menos de 120 reais é encontrar um baú do tesouro. Por isso uma ótima alternativa são as guest house/hostels. Aqui no Brasil não temos algo assim, eu acho. Mas nessas Guest Houses, você geralmente pode optar por um quarto (que são bem baratos) ou por ficar em um dormitório.

Tire qualquer e toda imagem que tenha se formado na sua cabeça, estamos falando do Japão, os dormitórios são entre 4 e 6 pessoas, e você pode optar pelo feminino ou misturado. São muito limpos e ajeitadinhos, nada horrível ou assustador, então não se precipitem. Eu vou ficar em vários dormitórios, depois conto direitinho. O fato é que essas guest houses variam de preço entre 40 e 80 reais, e quanto mais tempo você ficar, maior o desconto. É uma ótima opção para quem quer gastar pouco. O TripAdvisor é um ótimo site para encontrar esses hotéis e guest houses baratos, ele mostra também as atrações e restaurantes na cidade onde você vai.

Agora, se você já conhece alguém no Japão, não sei nem por quê não foi ainda. Mas se você não conhece, procure fazer amizade com alguns japoneses. Não é tão difícil quanto parece, contanto que vocês falem pelo menos o inglês. Muitas escolas de japonês fazem intercâmbio e você pode conhecer algumas pessoas (o que aconteceu comigo). Conhecer pela internet mesmo, e  já ouvi várias histórias desse tipo. Enfim, quando se tem uma pessoa conhecida, tudo fica bem mais fácil. Tem vários intercâmbios que só fornecem o lugar para ficar. Vem um japonês ficar na sua casa e depois você vai lá ficar na casa dele.

E por último, vou apresentar um site chamado couchsurfing, você cria um perfil, coloca para onde está indo e procura pessoas disponíveis para oferecerem seus “sofás” a você (você paga só uns 10 dólares para a pessoa). E esse também é um ótimo meio de conhecer japoneses ou qualquer outro estrangeiro. Você não precisa necessariamente oferecer o sofá, tem várias opções do tipo: disponível para uma xícara de café, ou como guia pela sua cidade. Se você mora em uma cidade onde vários estrangeiros vão, pode tentar usar esse site. E também não tem nada com que se preocupar, outras pessoas comentam dizendo como foi a experiência, e se a outra pessoa é mesmo confiavel.

3 – Transporte, Comida e Onde ir

ら

Digamos que você tenha conseguido sua passagem e um lugar onde ficar. Agora só sobra as questões mais simples. Se você não vai com um pacote de viagem (que costumam ser bem caros), precisa pensar em como vai ser locomover, e se estamos falando de Japão, estamos falando de trens. Sem dúvida o jeito mais fácil seria os trens, e se você quiser conhecer o Japão de cima a baixo, recomendo o JR Pass. JR é a maior das infinitas companhias de trem no Japão, e com esse passe você consegue andar em quase qualquer trem da companhia (incluindo alguns trens bala). Mas se você pretende se locomover pouco, então não compre o passe e opte por um passe diário do metro da cidade em que você vai, e sempre tem um desconto para estrangeiro. Trens que não sejam o trem bala saem bem mais em conta, apesar de ser mais de vagar, mas vale a pena para aproveitar a paisagem.

Comida nas grandes cidades do Japão tendem a ser muito cara, principalmente comparando com o Brasil. E é para isso que existem os McDonalds da vida. Se você não se preocupar muito em comer comidas extremamente saudáveis só por alguns dias, você pode optar pelo fast food, que no Japão ouvi dizer que é um pouco mais saudável que o normal. Há, também, muitas marcas de restaurantes, que não são exatamente restaurantes que vendem comida boa, gostosa e barata. Ou você pode comprar obento pronto, onigiri e essas coisas nas famosas lojas de conveniência, que vendem produtos frescos, mas acho que é mais caro que comprar no supermercado.

Já quanto aonde ir, as cidades grandes como Tokyo, Kyoto e Osaka são sempre os pontos principais, mas também são as mais caras. Se você realmente quer ir até lá (e não tem como não resistir), procure bem para achar os melhores preços. Eu ainda vou fazer um roteiro com os lugares imperdiveis no Japão.

E é isso, gente. Espero ter ajudado ou pelo menos incentivado alguém. Se você prefere o método que não precisa pagar nada (intercâmbio), eu vou apresentar alguns métodos na parte 2. Então até essa semana/semana que vem.

Anúncios