Por que assisto animes

 

Começarei esse post contando um “causo” acontecido com minha pessoa. Estava lá eu conversando com uns colegas, e dentre vários assuntos (livros, séries, filmes) acabaram me perguntando sobre animes. Meus olhinhos já brilharam, e inocentemente achei que tinha encontrado mais adeptos da cultura oriental.

 

“Alguém falou em animes?!”

 

Mas quando olho para a pessoa da esquerda flagro-a virando os olhos e dando uma risadinha, do tipo “WTF?”, já a da direita foi neutra “não odeio, mas também não gosto”. A que estava sentada em frente, quando perguntei que animes essa pessoa conhecia, me veio com o trio “Piratas-Ninjas-Shinigamis” (conversa manjada de quem finge gostar de animes, citando os mais conhecidos para se justificar). Bem, até aí tudo bem, já me acostumei com isso… mããs, não obstante a pessoa da esquerda teve que falar “Tem tanta coisa melhor para fazer” (com um olhar ecchi no rosto, diga-se de passagem).

 

Que tipo de “coisas” ???

Graças a habilidade diplomática nata de meu signo do horóscopo Chinês (Inu), consegui contornar a história e me defender ao mesmo tempo, dizendo “Os gostos dependem das experiências das pessoas, cada um deve fazer o que curte e se respeitar, né~~”. A pessoa da frente concordou e a da esquerda fez suas considerações. Narrei essa situação pois sei que não sou a primeira e nem a última a passar por isso. Realmente é chato quando desmerecem algo que gostamos, mas muita hora nessa calma.

 

 

Não é certo pensar que essas pessoas são ignorantes (embora na hora da raiva pensemos sim kkk), como também não devemos achar que somos inferiores porque gostamos de algo que a maioria nem sabe falar o nome. Cada um de nós possui várias “cores”, várias facetas escondidas lá dentro, e conhecendo coisas novas que nos darão novas experiências e sentimentos, começamos a enxergar essas cores. Portanto, tudo depende da vontade e interpretação de cada um.

Sou uma pessoa com uma dificuldade imensa de julgar algo que não conheço. Sério mesmo. Por isso sempre vejo as coisas por vários ângulos. Também sou determinada ao quadrado, insisto ao ponto de exaustão (jogar pro alto não é comigo). Por isso, imortalizo nesse post o que penso quando me pergunto “Porquê entrei nesse mundo otaku e o que acho de tudo isso?”. Usarei tópicos para organizar melhor as idéias ^^

 

“Quem assiste animes é antissocial”

Quando seus amigos descobrem que você assiste animes kkk
#brinks

Taí uma coisa que vemos muita gente falando por aí. Um descabimento que só, né? Atualmente, qualquer pessoa que não se dissolva no rebanho é tachada de antissocial ou estranha, infelizmente. Só para constar, tomei gosto por animes pela influência de amigos. E fiz amizades (no mundo real), tendo os animes como um assunto de conversa diária. Então, se você leitor está com medo de se tornar forever alone por curtir animes, dá tempo de mudar esse conceito 🙂

 

Fuga da Realidade

Isso é uma faca de dois gumes. Com todo o avanço da Internet, fugir da realidade ficou cada vez mais fácil. O lado ruim é quando uma pessoa se torna “dependente total” dessa fuga, esquecendo-se de si mesmo. Mas isso são casos extremos. O lado bom é quando usamos essas fugas para nos divertir, construir nossa identidade, conhecer novos ares… enfim, se sentir “meio cheio” por dentro.

Dark Flame Master aprova a fuga da realidade

Uma coisa que exercitei vendo animes foi Imaginação e Criatividade. Uma senpai sempre me disse “Caramba, esses japoneses inventam cada coisa! Somos surpreendidos a todo instante!” e é verdade. A vantagem de ver animes é poder conhecer coisas que nunca nem cogitamos na vida, nos causando “estranhamento” ou “compreensão”. É bacana passar por um “turista” sem sair do sofá hehe.

 

“Essas amizade tudo colorida nos animes”

Outra frase comum. Bem, isso aí já nos leva a uma discussão mais profunda. De novo vem a questão do ponto de vista.

Vou contar mais um “causo” que passei: Quando uma amiga me recomendou o anime “Ouran Host Club”, me impactei com o início do primeiro episódio. Para quem nem sabia o que vinha a ser yaoi ou shounen-ai, e assiste um anime que satiriza o gênero, imaginem só a minha reação :O

A tentativa de yaoi do Tamaki deu #fail

Mas graças a minha amada okaasan (que já tinha um lado otaku), continuei vendo e quando chego ao fim do epi, já havia me acostumado e compreendido a razão de tudo. Resultado: virei fã de carteirinha da série, e a considero como um dos melhores animes reverse harem já feitos.

Moral da história: Dê uma chance. Se mesmo assim você achar que isso ofende sua moral ou algo similar, não veja. É apenas o que tenho a dizer com relação a isso.

 

Conflitos Internos

 

Sim, não basta apenas a “briga” entre otakus e não-otakus, mas também precisamos lidar com pessoas de gostos diferentes entre os próprios fãs. Algo que eu posso vir a tecer elogios pode fazer outro jogar pedras. Isso é normal (tem também os tais flammers e hatters, mas vamos ignorá-los). Reforço com o conselho “Se curte, assista”. E pronto. Não desconsidere a opinião dos outros, como também não mude a sua só para não passar vergonha. E seja feliz hohoho.

 

Uma coisa puxa outra

Tudo começou pelo gosto por animações em geral, desde a infância. Dos animes, passei para as músicas asiáticas. Os animes também me incentivaram a ler mangás e conhecer melhor a terra do sol nascente. Daí pular para os dramas e filmes asiáticos foi fácil. Com o passar do tempo, fui entendendo melhor o “humor dos japas” (demorei para entender a dos lenços de papel kkk). O meu gosto pela cultura japonesa também se potencializou pelo contato com amigos nihonjins e com outros pseudo-nihonjins como eu kkk.

 

*—–*

Depois de tudo isso acho que consegui mostrar porque assisto e continuarei assistindo animes. Curtir tudo isso me trouxe experiências e sentimentos muito gratificantes, e não me arrependerei disso. Imagino-me com uns 60 anos assistindo animes com meus netinhos hahaha.

 

Bem pessoas, espero que tenham gostado desse post que foi uma mistura de filosofia, otakice e auto-biografia.

Bom feriado e ja nee 😀

Kitsune

Anúncios