Shinsekai Yori – Episódio 7

“Quando retornamos ao 66º distrito de Kamisu, nossos canti retornaram rapidamente, junto com nossos mantras. Conseguimos despistar os adultos e finalmente adquirimos o poder dos Deuses, uma vez mais. Entretanto, não fazíamos ideia de quão terrivelmente enganados nós estávamos.”

Foi um bom episódio de conclusão. Coisas bem amarradas e mesmo a subjetividade com que tudo flui na série, acredito que nada ficou solto a ponto de prejudicar o andamento da trama. O pequeno conflito entre a Ground Spider e a Rober Fly foi muito importante para o desenvolvimento e crescimento dos personagens, situou o espectador para real situação daquele mundo além da vila misteriosa e pacifica demais. Ainda penso que foi errado separar os personagens, pois qualquer coisa que venha acontecer com os três que foram totalmente deixados de fora desses acontecimentos, pode soar vazio, infundado e superficial.

Já o mesmo não se aplica a Satoru e Saki, que foram bem trabalhados nesses episódios. Traçamos mais ou menos o perfil de cada um, Saki é a mais racional, Satoru é impulsivo, entretanto conseguimos ver nesse capitulo que ele também consegue ter outras perspectivas interessantes e coerentes em determinadas situações. Houve uma tensão sexual entre os dois, mas isso foi posto de forma sutil, nesse episódio somos apresentados a Kiromaru, personagem enigmático e que tem uma postura de liderança muito forte, ao menos ele demonstra imponência e importância perante aos outros de sua espécie. Muito provavelmente ele e o Esquela serão importantes para todo o andamento da história e serão peças chaves na possível rebelião que poderá vir a acontecer.

Uma cena muito interessante e a que mais me surpreendeu nesse episódio, foi o choro de Saki. Não foi exagerado, foi contido. Representou perfeitamente a exaustão misturada ao alívio. Ela queria acreditar que aquilo tudo passaria, que eles iriam parar de fugir, que encontrariam os demais, entretanto, acredito eu, que ao mesmo tempo ela estava mergulhada profundamente em desespero, medo e dúvidas sobre o que realmente aconteceria com ela e Satoru. E o interessante é que a cena foi rápida, para muitos pode ter soado como desnecessária, mas vejo claramente que aconteceu tudo aquilo justamente ali e com toda aquela velocidade, para percebermos que eles estavam em constante perigo, qualquer passo em falso ou retrocesso poderiam custar-lhes a vida. Os choros e lamentos não eram mais importantes do que a sobrevivência.

O reencontro aconteceu de forma estranhamente natural, exaustos, a única coisa que todos queriam eram voltar para suas casas. Provavelmente toda essa experiência aconteceu no período de 7 dias (que é o tempo que é dado para eles acamparem).O momento em que Saki libera a hipnose de Shun é recheado de esperança, a música de background, a felicidade de todos em saber que a vida poderia continuar a mesma, o fogo dançando e o grupo compartilhando de uma confiança mútua, nada poderia derruba-los. Em contraste as cenas finais são melancólicas, situadas em um chuvisco quase invisível e o barulho da chuva caindo sobre o rio torna tudo ainda mais sombrio, takes da prédio da escola, com a voz temerosa de Saki mais adulta, narrando sua angustia em acreditar que tudo poderia correr bem, mas que não havia sido assim. E assim o arco se fecha, carregado de dúvidas quanto ao destino dos personagens e ao inevitável colapso social que a verdade que eles carregam pode acarretar, magistralmente eu diria, pois poucas séries conseguem terminar um arco fazendo o espectador esperar ansiosamente pelo outro (fanboy me deixem).

Com isso mais expectativas são depositadas em cima do staff de Shinsekai Yori. Uma oportunidade de se destacarem entre vários trabalhos que tecnicamente estão com tudo nessa temporada. Eles vão se superar nesse novo arco? Vão fazer escolhas corretas para os rumos dessa história com proporções épicas? Vão deixar de preguiça e se esforçarem ao máximo para que a qualidade técnica dos 3 primeiros episódio se mantenha? Sinceramente ando pendendo para respostas negativas, toda vez que me questiono sobre o staff e a competência do seu trabalho. Não nego que em todos os episódios existam cenas e momentos que fica nitidamente claro o “boom” de inspiração e um provável carinho deles pela obra, entretanto erros, que eu considero grotescos para uma animação produzida por um estúdio, que apesar dos pesares, não é um qualquer, vem sempre se repetindo. Porém Shinsekai tem tantas qualidades narrativas e o próprio enredo é tão bem formulado e construído,que esses erros, pelo menos para mim, ficam de lado e não diminuem meu aproveitamento da obra.

Fujoshis! É hora de shippar! n

Anúncios