Shinsekai Yori – Primeiras Impressões

Como começar esse texto? To comendo os dedos de curiosidade, to mega “hypando” essa série, tô parecendo fã enlouquecido que entra êxtase só pelo aceno do ídolo. É meus caros padawans, tá difícil pra esse blogueiro novato ser sensato em meio a tantos questionamentos, suposições e correndo o risco de bater com a cara na merda, mas vamos ao que interessa.

Vamos a mais informativo ringochi, a palavra da vez é distopia. É, eu achava que eu sabia o que era, mas é bom as vezes dar uma olhada nas definições corretas das coisas pra você poder intender e até pescar algumas coisas.

Distopia ou antiutopia é o pensamento, a filosofia ou o processo discursivo baseado numa ficção cujo valor representa a antítese da utopia ou promove a vivência em uma “utopia negativa”. As distopias são geralmente caracterizadas pelo totalitarismo, autoritarismo, por opressivo controle da sociedade. Nelas, caem as cortinas, e a sociedade mostra-se corruptível; as normas criadas para o bem comum mostram-se flexíveis. A tecnologia é usada como ferramenta de controle, seja do Estado, seja de instituições ou mesmo de corporações.

Isso releva um pouco sobre a trama que pode vir a ser desenvolvida na série, isso é óbvio desde o ínicio de shinsekai, porque a série não tem como pretensão esconder que toda aquela realidade está sendo controlada por meios silênciosos, porém rigidos. Shinsekai se inicia com a premissa de ficção-cientifica, usando nesse capitulo de estréia o mitiscimo como desculpa para uma opressão passiva, entretanto eficaz. Fica bem claro na cena que Saki é levada shoujoji e é liberta de seus desejos humanos, que tudo o que eu disse acima está acontecendo(lembrando a cena em que ela comenta sobre o local que visitaram quando crianças, e tinha animais presos, sendo cuidados para a produção de alimento e tecidos). E isso já dá um sinal de que Saki não acredita muito na lei que rege esse mundo. Confesso ter ficado confuso, pelo fato de que eles “selaram” seus poderes gravitacionais, mas assim que Reiko desapareceu me veio a mente que ela poderia não ter sido “selada” corretamente e que a sua falta de habilidade nada mais era que o início de um descontrole maior, resultando em um grande poder, mas né, suposições.

Como a Beta disse no Elfen lied, os personagens não se mostram muito cativantes e a ambientação tornou-se um “personagem” principal para esse episódio. Comentei lá que isso deve ser proposital, feito para o espectador ficar submerso a nova realidade, e cogitar a possibilidade daquilo um dia ser real (mesmo sendo uma animação, isso vai muito da percepção e imersão de cada um para o que esta assistindo). Tudo é calmo é silêncioso, você consegue ouvir o som das cigarras e ficar observando o balançar que o vento dá a grama e isso te faz ficar não com uma, mas com duzentas pulgas atrás da orelha.

A trama seguiu um ritmo lento, mesmo nas paisagens incrivelmente bonitas, a sensação de tensão era muito forte e mesmo achando algumas coisas bobinhas demais, consegui notar que tudo era pra representar sem ser de forma dita, que apesar da “evolução” humana, a manipulação de informações – os contos que faziam os navegantes pensarem que se fossem longe demais chegariam ao fim do mundo e caiam em um abismo – ficaram ainda presentes, mesmo que de forma diferente, em uma forma de repressão psicológica.

Mesmo com todo meu hype, eu ainda consigo enxergar de forma racional e analisar algumas coisas, estou com os dois pés atrás, dificilmente fico ansioso para o início de alguma série e eu sei que ficar nessa expectativa, pode atrapalhar meu aproveitamento da obra, mas eu não posso evitar. Vou tentar escrever sobre todos os episódios de shinsekai e prometo que depois do 6 eu faço um vídeo comentando sobre quais rumos a série vai tomar, quem sabe não começo a fazer vídeos para os animes que eu for comentar e faço o vlog do ringochi hoho, quem sabe.( já podem mandar a lista de quem perguntou ): )

Imagem que me deixou com a 201ª pulga atrás da orelha

Quem achou que ele é o “ditador”? hehe :3

</div

Anúncios